Chegou a Copa do Mundo, e tem muito negócio por aí já sofrendo pela pretensa inutilidade dos dias até 15 de julho. Via de regra, a experiência que se tem é de foco total na competição – e pouco espaço para o trabalho. Em especial, o de marketing de marcas não relacionadas ao evento. Uma percepção que não precisa se confirmar.

Quem desenvolve um planejamento contínuo de marketing sabe que uma das grandes sacadas é definir com quem se vai conversar e quais os interesses dessas pessoas. Isso vale também para o digital. Com tal definição em mãos e em mente, pode-se gerar conteúdo relevante direcionado, promovendo trocas e aproximando a marca do seu target. Como fica isso quando um evento tão grande como a Copa do Mundo acontece? Do mesmo jeito.

Por onde ir
Muita gente tende a querer surfar a onda do assunto do momento. No caso do futebol no Brasil, isso é bastante natural. No entanto, a premissa básica é estar atento a como o seu público se comporta em relação ao tema.

Uma pesquisa recente do Datafolha demonstrou que 53% dos entrevistados não estão interessados no Mundial. É o índice mais baixo desde 1994, quando começou a medição. É também a primeira vez que mais da metade dos consultados não se mostra envolvida pela competição. Em que extrato está a sua audiência?

Não é que seja preciso ignorar o que está acontecendo – em muitos casos, isso até pega mal –, mas entender de que forma as pessoas se relacionam com o contexto. Personificar a marca, aplicando uma personalidade e um estilo de se comunicar, é uma forma eficaz de desenvolver um tipo de guia.  Ele pode ser um termômetro na hora de pensar em como atuar. Embarcar em uma promoção forçada antes de criar uma oportunidade de venda e fidelização, por exemplo, pode não converter em ganho algum.

Também é preciso levar em conta as rígidas regras da Fifa sobre merchandising do evento. Quando não observadas, podem gerar prejuízo e mídia negativa. Manter o foco, ter clara a percepção do público e apresentar conteúdo interessante no formato adequado. Essas seguem sendo as nossas sugestões para marcas neste período, não importa o tamanho da empresa.

 

Para mandar no grupo da família: um guia de como checar se uma notícia é falsa

Leia mais →

‘Essa tragédia do Museu Nacional não é um acaso, faz parte de um projeto’

Leia mais →

Cada cliente no seu alvo

Leia mais →